Notícias de Nonoai e região em primeira mão
Notícias de Nonoai e região em primeira mão

Menu

Polícia Federal combate grupo criminoso especializado na importação clandestina de baterias estrangeiras e lavagem de dinheiro

Imagem do WhatsApp de 2024-03-07 à(s) 13.46.36_8393c0e9

Compartilhe nas redes sociais

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email
Telegram

 

Operação Plata y Plomo apura a internalização de mais de 950 toneladas de baterias e de sucatas de baterias introduzidas ilicitamente no Brasil

Santana do Livramento/RS: a Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (07/03), a Operação Plata y Plomo, para coibir grupo criminoso especializado na importação ilícita de baterias e de sucatas de baterias estrangeiras, internalizadas por meio da fronteira entre Santana do Livramento/RS e Rivera/URU.

Na ação, policiais federais cumpriram dois mandados de prisão em Santana do Livramento e 13 mandados de busca e apreensão nos municípios de Santana do Livramento/RS (5), Novo Hamburgo/RS (3), Sangão/SC (1), Concórdia/SC (2) e Brusque/SC (2). Também foram executadas ordens de bloqueios de aproximadamente R$ 6 milhões de reais nas contas bancárias dos suspeitos, sequestro e apreensão de bens móveis e imóveis, todos, devidamente expedidos pela Justiça Federal da 2ª Vara Federal de Santana do Livramento/RS.

A investigação teve início em maio de 2023 com a apreensão de um caminhão carregado com sucatas de baterias e baterias novas, todas de procedência estrangeira.

As mercadorias trazidas do Uruguai para comercialização no Brasil eram transportadas de maneira dissimulada, por meio da emissão de notas fiscais falsas por empresas de Novo Hamburgo/RS e de Santa Catarina. Estima-se que mais de 950 toneladas de baterias tenham sido introduzidas irregularmente, em um período de apenas nove meses, além de verificada a movimentação financeira paralela de mais de R$ 6 milhões de reais pelos investigados.

A Operação Plata y Plomo tem como foco os mecanismos de introdução ilícita de mercadorias no Brasil e as metodologias de lavagem de dinheiro usadas pelos investigados. Na investigação, há indícios de que veículos registrados em nome de terceiros são usados como pagamento de mercadorias. Da mesma forma, contas bancárias de passagem são usadas como mecanismo de blindagem e dissimulação das movimentações financeiras.

O comércio ilícito de baterias é uma prática recorrente na fronteira para que grupos criminosos se capitalizem para viabilizar a prática de outros crimes, a exemplo da própria lavagem de dinheiro, contrabando e evasão de divisas. Além de alto poder de degradação ambiental, esse tipo de crime apresenta altíssimo potencial de lucro oriundo da revenda e manufatura de chumbo extraído das baterias contrabandeadas.

O nome da Operação faz referência justamente a essa correlação entre a revenda de chumbo (plomo) e os efeitos econômicos (plata) do contrabando de baterias.

Comunicação Social da Polícia Federal em Santana do Livramento

Gostou? Compartilhe!

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email
Telegram

Veja também