Notícias de Nonoai e região em primeira mão
Notícias de Nonoai e região em primeira mão

Menu

Ferrovias: Engajamento do empresariado e envolvimento do setor político

05

Compartilhe nas redes sociais

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email
Telegram

Colaboração entre diferentes setores garante avanços nos projetos ferroviários no sul do Brasil

 

“A evolução dos projetos se dá significativamente pelo aumento do interesse e envolvimento político,” pontuou o diretor de ferrovias da ACIC, Lenoir Broch. As últimas ações promovidas pelo Movimento Pró-Ferrovias engajaram o empresariado e o poder público. Para que os trilhos ganhem espaço e forma é preciso que as atitudes da iniciativa privada tenham eco no setor político.

            A união de entidades catarinenses – Sindicarne/Acav, ACIC, CEC, Faesc, Fiesc, Facisc e Ocesc, junto com a ABPA – criou o grupo de trabalho Movimento Pró-Ferrovias que custeou o estudo de viabilidade econômica, técnica e ambiental para demonstrar a racionalidade e a necessidade de ferrovias. “O interesse da iniciativa privada, por si só, não é suficiente. É fundamental que a classe política também se envolva, pois são nossos representantes. Mesmo que tenham opiniões diferentes, eles precisam decidir conforme as necessidades da população. Esta obra é indispensável, e é por isso que temos visto um aumento significativo na participação comunitária. Consequentemente, o projeto tem ganhado forma e importância, destacando-se ainda mais no sul do Brasil”, ressaltou o diretor.

            Broch relatou que foram promovidas audiências públicas como na Câmara de Vereadores de Concórdia, em Joaçaba e na Assembleia Legislativa do Estado, promovida pela Comissão de Logística, presidida pelo deputado estadual Antidio Lunelli.

            “Nessas audiências, apresentamos informações sobre a ferrovia Chapecó (SC)/Correia Pinto (SC) e também discutimos a ferrovia de Chapecó (SC)/ Maracaju (MS). Conversei com o coordenador do projeto de ferrovias no Paraná, Luiz Henrique Fagundes, ele me informou que, do ponto de vista ambiental, as ações estão progredindo bem. O estudo solicitado pela Funai para as 25 comunidades indígenas, inicialmente previsto para ser concluído em nove a 12 meses, está avançado e provavelmente será finalizado antes do prazo planejado”, explicou Broch. Ainda mencionou que o diálogo e a colaboração entre diferentes setores da sociedade contribuem para a redução de resistências e conflitos, facilitando a implementação.

O diretor reconheceu também o apoio do Ministério dos Transportes ao Movimento Pró-Ferrovias. “O ministério já considera as ferrovias uma necessidade em âmbito nacional. A ferrovia deixa de ser simplesmente um sonho para se transformar em realidade nos projetos em andamento. A mudança na lei, permitindo a exploração das ferrovias, trouxe uma nova realidade para a logística. Assim, o transporte de longa distância pode ser explorado por empresas ou investidores interessados. O Ministério dos Transportes vê isso com bons olhos. Inclusive, tivemos a visita do ministro dos Transportes aqui no início de junho, em Chapecó, e conversamos com ele a respeito.” O apoio do ministério é informal, ou seja, não há recursos específicos disponibilizados para investimentos, mas há uma aposta na viabilidade do projeto por parte da iniciativa privada.

Fonte e foto:

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

 

 

Gostou? Compartilhe!

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email
Telegram

Veja também